Inaugurada a primeira Capela Evangélica na área da Marinhas do Brasil – Comando do 4º Distrito Naval

nova Capela Evangélica inaugurada na área do 4º Distrito Naval-Vila Espadarte
Representantes da Marinha, Exército, Aeronáutica e Policia Militar e outros convidados.

Foi inaugurada em Belém a primeira Capela Evangélica em área da Marinha do Brasil, localizada na Vila Espadarte, do Comando do 4º Distrito Naval. O vice-almirante Edervaldo Teixeira de Abreu Filho esteve presente na cerimônia prestigiando o evento, com seus oficiais, Oficiais das Forças Armadas, irmãos do Exército, Aeronáutica e também da Polícia Militar.
Em meio ao significativo evento foi celebrado um Culto Evangélico, contando ainda com a participação do Coral da Aeronáutica e da Banda formada por Alunos do CIABA – Centro de Instrução “Almirante Braz de Aguiar”. Tudo aconteceu graças ao apoio do Comando e das OMs do 4º Distrito Naval, sendo ao final oferecido um coquetel aos presentes. Três flashes feitos por Luiz Celso especialmente para a coluna.

Para quem ainda conhece um SUBMARINO, publicamos hoje a foto do primeiro submarino nuclear, quando era transferido da UFEM, para o Estaleiro de Construção, devendo entrar em operações até 2020, além de outras Unidades como modernas corvetas e fragatas. BRASIL UM PAÍS MARÍTIMO – VIVA A MARINHA DO BRASIL!

Empresas fluviais diversificam suas atividades em tempo de crise

Diversas empresas de navegação têm suas atividades diversificadas, pelo menos três delas operam hoje também com Postos de Venda de Combustíveis, outras com revenda de gás de cozinha, a mesma coisa está acontecendo também na capital amazonense, tudo envolve a maneira de enfrentar a crise que também está atingindo o setor aquaviário em todas as direções da região.
Os navios de cabotagem na rota de Manaus abocanharam grande parte do mercado dos comboios fluviais, que no sistema rodofluvial transportavam carretas com produtos da Zona Franca.

Cábrea “Rio Branco” da CDP continua ociosa no cais do porto

A Cábrea “Rio Branco” da CDP-Companhia Docas do Pará, cujo faturamento maior aconteceu ainda quando da construção da Hidrelétrica de Tucurui, com a movimentação dos equipamentos dos navios “roll-on-roll-off” para as balsas fluviais conduzirem até Tucurui, inclusive as turbinas de 200 toneladas cada, permanece no cais do porto numa completa ociosidade, sendo um dos “elefantes brancos da estatal”.
Ainda recentemente correu solto na “beira do cais” que o referido equipamento deveria ser negociado, dentro das normas competentes ,com um interessado, do Rio de Janeiro, mas até o momento isto não aconteceu.

MARÉ ALTA
O encontro de AMIGOS DA MARINHA realizado ontem à noite no Clube Espadarte pelo Comando do 4º Distrito Naval, em conjunto com a SOAMAR-Pará. Na ocasião aconteceu uma Rodada de Pizza, para todos os presentes e familiares. Foi nota 10.

MARÉ BAIXA
Os novos assaltos às embarcações de carga e passageiros, nos rios próximos a nossa capital, prática lamentável que vem acontecendo há bastante tempo, mesmo com o excelente trabalho que realiza a nossa Polícia Fluvial, através da sua Delegacia especializada.

MARESIAS

Hoje o setor fluvial, marítimo e portuário do Pará conta com três importantes entidades sindicais, que trabalham grandemente pelo desenvolvimento do nosso Estado, são elas: SINDARPA, SINDAMPA e o SINDOPAR, todos eles hoje bem dirigidos.

Já começaram a chamar atenção na orla marítima e portuária de Belém as obras do Belém Porto Futuro, uma iniciativa genial que, com certeza absoluta, vai se tornar uma das melhores atrações turísticas da capital paraense. É de primeiro mundo.

Num ambiente da mais absoluta cordialidade, ontem, à noite, antigos Amigos da Marinha participaram no Espadarte Clube do encontro promovido pelo nosso Almirante Edervaldo e pela nossa Sônia Guedes, ele Comandante do 4º DN, ela presidente da SOAMAR.

Muita gente continua não sabendo, mas a Marinha do Brasil, já teve um Quadro de Práticos que atuavam no rio Paraguai, cuja patente chegava até o posto de Capitão-de-Corveta. Sempre destacamos que “Praticagem é coisa séria” em todo o mundo.

Os importantes acontecimentos ligados ao setor fluvial ainda neste semestre serão as inaugurações de diversos Terminais Fluviais em municípios paraenses, iniciando pelas cidades de Viseu e São Miguel do Guamá. Todos eles bancados pelo Ministério dos Transportes.

Por falar em Terminais Fluviais, o executivo Miguel Fortunato, dinâmico Superintendente da AHIMOR, onde realiza um grande trabalho, esteve bordejando por Brasília ao lado do deputado Lucio Vale, o grande “padrinho” dos referidos Terminais.

Dos novos Oficiais Temporários da Marinha do Brasil na área do Comando do 4º Distrito Naval tem três mulheres e um homem oriundos da nossa Universidade do Mar que é o nosso CIABA. Incorporados para servirem as diversas OMs de Belém, Macapá e Santarém.

Muita gente não sabe, mas a empresa Aliança, quando do Grupo Fischer, foi a primeira brasileira a operar um navio porta-contêineres, construído na Alemanha. O seu primeiro Comandante foi o “Pequeno Príncipe” paraense CLC Álvaro Almeida.

A caçula em serviços portuários, Mega Logística, está aumentando a cada dia o seu raio de ação, graças à excelência em tudo que vem fazendo, dirigida por quem entende do assunto e mantendo inclusive escritório também em São Paulo.

Aliás, a Mega Logística brevemente estará também no rodapé da coluna, num reconhecimento do prestígio da mesma nos meios fluviais, marítimos e portuários, em conjunto com o Portal da Navegação, o melhor do Brasil voltado para o setor.

O nosso bom amigo soamarino muito especial empresário engenheiro Carlos Nascimento, continua bordejando pelo Rio de Janeiro e, hoje, inclusive, almoça com o nosso muito querido amigo Almirante Alípio Jorge, que é gente da melhor qualidade.

As empresas de navegação Bom Jesus, Celte, Maturu e Bannach, operam hoje os melhores Terminais de cargas e passageiros localizados no litoral da Avenida Bernardo Sayão. Todos eles dentro dos padrões exigidos pela ANTAQ. Nota 10. (AS).

ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
Previous
Next