Dois ilustres soamarinos que muito contribuíram para o desenvolvimento do nosso Estado

O destaque especial hoje da coluna vai para dois grandes soamarinos que estão sempre presentes aos eventos ligados a nossa Marinha do Brasil. São eles: o engenheiro-empresário Carlos Nascimento e o PHD Professor Mecenas Gonçalves, por sinal portadores das mais altas honrarias da Armada Brasileira e que aparecem na foto quando de reunião realizada pela Nossa SOAMAR, da qual ambos fazem parte da sua Diretoria.
O Dr. Carlos Nascimento, pelo extraordinário trabalho realizado a frente de importantes órgãos públicos em Brasília, inclusive na Eletronorte, é hoje referência nacional, gozando de extraordinário conceito junto as forças armadas, inclusive. O Professor-PHD Dr. Mecenas Gonçalves, grande educador, foi um dos fundadores do IESAM-Instituto de Estudos Superiores da Amazônia, ministrando importantes cursos superiores depois de uma passagem brilhante pela Universidade Federal do Pará. (Foto de Luiz Celso).

Novo Comandante da Capitania dos Portos do Estado do Amapá

O atual Imediato da Capitania dos Portos da Amazônia Oriental-CPAOR, Capitão-de-Fragata Kaysel da Costa, já está designado para assumir no próximo mês de julho, ou agosto, o Comando da Capitania dos Portos do Estado do Amapá. Oficial Superior da Marinha de elevados méritos. que no exercício da atual função vem realizando um excelente trabalho e, com isso considerando muitos elogios dos seus superiores. Como você sabe, a Capitania dos Portos do Estado do Amapá pertence à Jurisdição do Comando do 4º Distrito Naval.

Ainda o Pedral do Lourenço que continua em banho-maria

O rio Tocantins é um dos mais importantes do país, mas, mesmo assim, a esperada derrocagem do Pedral do Lourenço continua-se arrastando, só com promessas não cumpridas, não por culpa da empresa vencedora da licitação realizada pelo Governo Federal. Com certeza será um trabalho demorado já que depois das retiradas das pedras será necessário a dragagem, desobstrução, escavação e sinalização.

Navio-livraria dentro de 4 anos voltará a Belém

Se não acontecer nenhum acidente de percurso, daqui a quatro anos teremos novamente no porto de Belém (se o mesmo ainda existir) o Navio-Livraria que foi sucesso quando da sua última programação no Brasil, com escaladas em cinco portos brasileiros. Em Belém o registro de visitantes foi um dos maiores, proporcionando uma movimentação fora do comum no cais do porto. Dos seus tripulantes voluntários fazem parte diversos brasileiros, inclusive uma paraense.

MARESIAS

O nosso amigo Almirante Newton Cardoso, que foi Comandante do 4º Distrito Naval, onde também realizou um grande trabalho há alguns anos passados, vai lançar o seu livro, com certeza trazendo também algumas lembranças da sua passagem pela cidade das Mangueiras.

Com muita força e vigor o nosso bom colega de Mérito Tamandaré, professor Valdemir Oliveira, permanece em completo relax, ele que depois de servir ao CIABA por muitos anos colocou a Escola Almirante Guillobel entre as três melhores do nosso Estado.

Hoje o meu abraço vai para o grande empresário Osmar Rodrigues, que por sinal é também Amigo da Marinha. Quando ainda muito jovem ele bordejou pela pelos rios da Amazônia Oriental, e o sucesso não lhe chegou por acaso, mas, sim, com muito trabalho. Gente da melhor qualidade.

Muita gente não sabe mas a nossa Piramutaba, nos bons tempos de muita fartura, era conhecida no mercado de peixe como “Mulher Ingrata”, porém, o seu filé era prato Nobre nos melhores restaurantes de Miami – Estados Unidos, e isto este colunista comprovou junto com Gil Bezerra.

Dizem, não sei… que lá no Casarão, a partir da meia-noite, quem circula por perto ouve “gritos horríveis”… segundo um robustos cedepiano, existe uma explicação para tal, mas isto, depois eu conto… porque no momento não é recomendável.

A Praticagem da Barra tem consignado muitos elogios, especialmente das Autoridades Navais, pelo comprimento absoluto das recomendações, tanto da Anvisa como também do Ministério da Saúde, para evitar contaminação por coronavírus, envolvendo seus profissionais nas operações de manobras.

Nos tempos dos SNAPS o rio Guamá era navegável sem nenhum problema. Os comboios chegavam até perto da cidade de São Miguel do Guamá para receber grandes partidas de peixe e pedras especiais que eram utilizadas pela construção civil em nossa capital.

Muita gente não sabe, mas em frente à Cidade de Cametá, no baixo no Tocantins, tem diversas embarcações no fundo do rio, colocadas para amparar o barranco, entre elas o cargueiro “Siriri”, que pertenceu a JONASA e o catamarã “Roraima”, que era da ENASA.

Outro sonho de uma noite de verão… a construção de uma ponte sobre o Rio Amazonas, que foi anunciada pelo Governo Federal. Ainda assim tem gente acreditando nessa promessa. Não custa dinheiro esperar… Será que estou enganado? (AS).

ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
Previous
Next