Grupo HENVIL colaborando com as comunidades mais carentes da Ilha do Marajó neste momento difícil

Nota-10 para o Grupo HENVIL, que mesmo com suas atividades quase paralisadas na rota do Marajó, vem colaborando grandemente com a comunidade carente da Ilha, como aconteceu recentemente, cuja iniciativa vem consigando os melhores elogios. Como se sabe, o Grupo HENVIL tem papel muito importante na rota do Marajó, operando uma frota de confortáveis Ferry-Boats de cargas e passageiros, entre eles o maior do Brasil, denominado “São Gabriel”, com capacidade para transportar mais de 1.000 passageiros, contando ainda com ampla área para viaturas.
O Grupo HENVIL tem no seu comando um homem livre e de bons costumes, dr. Daniel Pereira, que, inclusive, faz parte das diretorias do SINDARPA-Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação no Estado do Pará e, também, da SOAMAR-Sociedade dos Amigos da Marinha.

Grupo Bertolini destaca-se cada vez mais na Amazônia

O empresário e armado Irani Bertolini, que chegou em Belém apenas com uma carreta, foi recebido pelo saudoso armador Francisco Fonseca, dono da JONASA, que lhe deu total apoio ao mesmo, com a utilização inclusive da instalação da empresa. Graças ao seu dinamismo, este gaúcho tornou-se uma das maiores potências do setor na Amazônia. Por sinal, sua empresa de navegação vai ser a pioneira no transporte de grãos através do rio Capim, procedentes de Paragominas.

Ainda a presidência da SOAMAR-Belém

O armador e empresário Relton Osvaldo Pinto, que na qualidade de vice-presidente da SOAMAR-Belém deveria assumir a presidência da entidade, em função do término do atual mandato da dra. empresária Sônia Guedes, porém, por problemas de saúde familiar, Relton está renunciando a esse direito. Em vista da situação, seria oportuno um mandato “tampão” para a atual presidente. isto com consenso por parte da Diretoria e Conselho Superior. Apenas uma sugestão…

Proprietários de pequenas embarcações pedem SOS

Na atual conjuntura, por sinal de muita dificuldade para os pequenos proprietários de embarcações que atendem o interland paraense no transporte de cargas e passageiros, seria prudente a liberação dos recursos destinados aos mesmos, que se encontram retidos pelo Tribunal de Justiça do Estado, conforme informação chegada a esta coluna, através de fonte de mais absoluta credibilidade.

MARESIAS

Foi muito elogiada a operação fluvial realizada pelo grupo CELTE na condução de um Hospital de Campanha enviado pelo Governo do Estado do Pará para a cidade de Breves.

Depois de um longo período, o Comandante José Luiz manteve um especial contato com este colunista. Foi o Oficial que mais demorou como Ajudante de Ordens do Comando do 4º Distrito Naval.

Foi ele quem trouxe a informação do lançamento do Livro do Almirante Newton Cardoso, que foi Comandante do 4º Distrito Naval, hoje na Reserva e residindo no Rio de Janeiro.

Aumentou consideravelmente no Rio de Janeiro número de marítimos das diversas categorias, inclusive, comenta-se que a Transpetro tem uma lista para ser dispensada…

Marítimos peruanos ainda continuam migrando para o Brasil. Conforme já informamos, em Lima funcionam três Escolas de Marinha Mercante, todas elas particulares.

Hoje o abraço do colunista vai para a nossa muito querida amiga sra. Vilma Rebelo, fiel leitora da coluna e eterna primeira-dama do conceituado Grupo REICON. Gente da melhor qualidade.

O jovem armador empresário Dário Pantoja, leia-se Grupo CAMILA, vem se destacando nacionalmente, fazendo parte da poderosa CNT-Confederação Nacional dos Transportes, em Brasília.

A Capitania Fluvial de Santarém, conhecida como a Sentinela do Tapajós, continua ganhando prestígio pelo grande trabalho objetivando sempre a segurança da navegação.

Arapari e Rodomar foram duas empresas de navegação pioneiras na travessia Belém/Arapari/Belém, esta última era capitaneada pelo saudoso amigo Alfredo Cabral.

Muita gente não sabe, mas há alguns anos passados funcionou uma linha fluvial Belém/Rio Branco-Acre, operada durante o rio cheio por um navio fluvial convencional de carga e passageiros.

A dona da embarcação, Empresa de Navegação Acreana, do saudoso e grande amigo deste colunista, Antônio Assmar. Era sempre uma festa todas as vezes em que o colunista o visitava.

Com certeza a próxima reunião da nossa SOAMAR não acontecerá no próximo mês de maio como estava previsto. Por sinal, esta entidade consignou muitos elogios pela sua extraordinária atuação em 2019. Sorrí dra. Sônia. (AS).

ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
Previous
Next