SINDAMPA se destacando cada vez mais na Amazônia por tudo de bom que vem realizando

O único SINDICATO ligado ao setor, com sede em Belém, que tem Jurisdição em três estados da Amazônia (Pará, Amapá e Amazonas) é o SINDAMPA, que reúne as Agências de Navegação Marítimas, que vem prestando relevantes serviços a categoria através de uma DIRETORIA constituída de competentes executivos, tendo no momento como presidente o bom caráter Anderson Costa, da ORION RODOS MARÍTIMOS, que, aliado aos demais diretores, vem realizando um trabalho muito especial.
Essa entidade, por sinal, goza de extraordinário conceito junto a área naval portuária e demais segmentos ligados ao setor marítimo. Isto é muito bom, mesmo porque vem consignando merecidos elogios da comunidade voltada aos serviços que realiza. Nota 10. (Foto: Luiz Celso).

Piramutaba – A espécie agora tem novo nome

Quem conhece a “brachy platystoma vaillantii? Seguramente, “Piramutaba” soa mais peculiar. Mas a espécie já pode também ser rotulado de “Douradinha”, conforme a portaria 1072 (12/15/20) da ADEPARÁ, que acolheu a argumentação técnica do SINPESCA. A rotulagem de peixes e derivados, no Estado, agora, deve conter o nome científico e o nome comum da espécie. Apesar da complexidade que foi adotar certas medidas preventivas à proliferação do novo coronavírus no meio de suas tribulações, o setor da Pesca Industrial impôs protocolo rigoroso contra contaminações por COVID-19 e, o melhor de tudo, não tem deixado faltar peixe na mesa do paraense. Nota 10 para o SINPESCA.

Uma série de desafios enfrentados pelos Práticos, agora também a COVID-19

Muita gente não sabe, mas os serviços de Praticagem do Brasil, por lei é essencial. Hoje mesmo enfrentando a bordo casos suspeitos de COVID-19, esses profissionais continuam cumprindo as manobras e singraduras, conduzindo as embarcações com a mais absoluta segurança. Mesmo com todos os equipamentos de segurança, ainda existe a possibilidade de se tornarem vetores da doença. Uma missão nobre desses verdadeiros heróis, que, merecidamente, são conhecidos no mundo como Anjos da Guarda do Patrimônio Público e Privado.

Santarém e Manaus lideram em embarcações de madeira

Na Amazônia o maior número de embarcações construídas de madeira para o transporte misto de carga e passageiros concentra-se mais em Santarém-PA e Manaus-AM. Enquanto isto, hoje no Pará e Amapá lideram os catamarãs e os ferry-boats, poucos navios fluviais convencionais do tipo “Anne Caroline-III” trafegam na região. Os que ainda existem datam de muitos anos, na grande maioria ainda construídos no exterior, são mais dispendiosos, exigindo inclusive maior número de tripulantes.

MARESIAS

Os governos do Pará, Amapá e Amazonas já tiveram suas Empresas de Navegação. Hoje na Amazônia apenas o Estado de Rondônia continua operando a sua, através de pequenas embarcações, na maioria de madeira.

Navios fluviais de passageiros da SNAPP/ENASA, na sua grande maioria mantinham no Rol de Equipagem, além de Enfermeiras “Anna Nery”, Médicos, que nas escalas atendiam também ribeirinhos.

Para se ter uma ideia da sofisticação dos navios, à mesa do Comandante, tanto para o almoço como para o jantar, eram convidados os passageiros ilustres, traje: paletó e gravata. Inacreditável…

Embora atrasado, vai um grande abraço para nossa muito querida empresária armadora dra. Milva Cabral Rebelo, do conceituado Grupo REICON. Ela que foi uma dinâmica presidente da SOAMAR-Belém.

Muito estimada no setor, como soamarina sempre presente aos eventos ligados a Marinha do Brasil, sendo também portadora do Mérito Tamandaré e do Mérito Naval, merecidamente. Um beijo e uma rosa.

O engenheiro-naval Fábio Vasconcellos, uma das revelações nacional da engenharia naval, de extraordinária capacidade, além de presidente do SINCONAPRA, faz parte de outras entidades nacionais e internacionais.

Nosso amigo Almirante Edervaldo, ex-Comandante do 4º Distrito Naval, hoje Diretor da APEX em Brasília, continua sempre bordejando pela coluna, através do Portal da Navegação. Como se sabe, ele deixou muitos amigos em Belém.

A novidade no setor portuário ligado a CDP-Companhia Docas do Pará foi a investidura do novo Diretor de Gestão Portuária da estatal, que, segundo consta, tem uma grande bagagem de conhecimentos do setor.

Na jurisdição do Comando do 4º Distrito Naval funcionam 5 Capitanias, sendo em Belém, Santana-AP, Santarém-PA, São Luís-MA e Parnaíba-PI. Todas elas com um grande movimento de embarcações fluviais e marítimas.

Muita gente não sabe, mas o nosso 4º Distrito Naval é um dos mais movimentados do país. Atende o mar e rios, inclusive com uma Força-Farefa devidamente especializada. Repetimos: o que seria da Amazônia Oriental sem a Marinha?

Na Amazônia, tanto a Força Aérea Brasileira como o Exército Brasileiro operam também embarcações, que oferecem apoio logístico às suas Unidades, através de comboios fluviais e ferry-boats especializados.

Corrigindo: o Almirante Alípio Jorge recebeu o Comando de Operações Navais-CON, do Almirante Leonardo Puntel, que passará a exercer as funções de Ministro do Supremo Tribunal Militar, a quem desejamos sucesso. (AS).

ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
Previous
Next