DESTAQUE: Hoje o destaque especial da coluna vai para um paraense Comandante da TRANSPETRO

O destaque da coluna hoje vai para o Comandante-CLC Ricardo Monteiro, sem favor nenhum uma das maiores expressões da Marinha Mercante Brasileira, do Quadro efetivo da TRANSPETRO – empresa subsidiária de transportes da Petrobrás, hoje no Comando do NT “JOÃO CÂNDIDO”, que navega rumo a Singapura, devendo retornar ao Brasil no mês de abril, após cumprir importante missão.
Como se sabe, o Comandante Ricardo Monteiro é paraense formado pelo EFOMM – Escola de Formação dos Oficiais da Marinha Mercante do CIABA, hoje nacionalmente conhecido como Universidade do Mar, ele por sinal aparece na foto no dia em que foi agraciado com a Medalha AMIGO DA MARINHA, pelo vice-almirante Valter Citavicius Filho – Comandante do 4° Distrito Naval. (Foto: Luiz Celso).

Praticagem da Barra do Pará e APBAM foram fundadoras do CONAPRA

Muita gente não sabe, mas a Praticagem da Barra do Pará e a Associação de Praticagem da Bacia Amazônica, há mais de quatro décadas, fizeram parte da fundação do CONAPRA como órgão Consultivo, daí em diante a categoria ganhou autonomia privada assumindo a responsabilidade pela infraestrutura do Serviço.
Hoje o CONAPRA, pelo seu extraordinário trabalho, reunindo as diversas Zonas de Praticagem, goza de grande conceito junto aos altos escalões da Marinha do Brasil, aliás, de conceito internacional. Tem a sua sede funcionando no Rio de Janeiro, no momento dirigido por um Prático do Rio Amazonas, o grande mestre Ricardo Falcão.

Navios especiais já fizeram a rota Belém/Caiena na Guiana Francesa há alguns anos

Tem um grupo ligado aos transportes hidroviários do Pará que continua fazendo uma avaliação, com objetivo de verificar a possibilidade da criação de uma linha entre Manaus/Belém até Caiena, capital da Guiana Francesa, utilizando para tal um cargueiro convencional de pouco mais de 3.000 toneladas.
Recorda-se que há alguns anos passados, quando em funcionamento os SNAPP/ENASA, essa rota era atendida com dois navios mistos, porém com saídas de Belém, com diversas escalas, transportando cargas e passageiros, conduzidos por Práticos do Quadro dessas empresas.

Projeto BR do MAR devidamente aprovado entrará em ação neste ano

O Projeto de Lei BR do MAR, depois de mais de dois anos, está chegando ao final com a aprovação da Câmara e do Senado Federal. Depois de amplamente discutido, o referido Projeto autoriza a importação de navios estrangeiros para operar no Brasil na rota da cabotagem, conforme já foi informado com todos os detalhes. Resta agora aguardar se os armadores responsáveis contratarão marítimos brasileiros, para ajudar também a absorver o grande número de desempregados, como já foi reivindicado pelas entidades representativas das diversas categorias, muito especialmente pelo SINDMAR-Sindicato Nacional dos Oficiais da Marinha Mercante-Eletricistas do Brasil.

Sindicatos não abrem mão de marítimos brasileiros a bordo dos navios importados

Os Sindicatos das diversas categorias marítimas já decidiram que não abrem mão de que as embarcações que forem importadas para operar na cabotagem, como manda o Projeto BR do MAR, sejam tripuladas por marítimos brasileiros. Segundo o SINDMAR, os postos de trabalho para brasileiros a bordo das embarcações abrangidas pelo Projeto de Lei devem ser uma prioridade para empresas interessadas em uma navegação segura e com regras de competitividade equilibradas que garantam a sua sustentabilidade.

PRATICANTES-OFICIAIS oriundos do CIAGA e do CIABA aguardando embarque

Hoje perto de 300 Praticantes-Oficiais da Marinha Mercante, estão aguardando para realizar o estágio final a bordo dos navios mercantes brasileiros, durante um ano, para a devida obtenção da Carta de 2° Oficial de Náutica e 2° Oficial de Máquinas, para poderem desempenhar as devidas funções.
A única empresa de navegação de cabotagem e longo curso que poderia absorver o maior número deles, que é a TRANSPETRO, lamentavelmente não está fazendo, segundo informações chegadas à coluna, tendo inclusive navio dessa empresa realizando viagem internacional, sem nenhum Praticante a bordo. Até quando?

BEIRA DO CAIS

Foi uma verdadeira “BOMBA” a nota publicada pela coluna e Portal da Navegação, na semana passada, sobre a possível transferência de bandeira brasileira para estrangeira de navios da TRANSPETRO, desobrigando com isto a empresa de embarcar mercantes brasileiros. “O bicho está pegando”. Eu vou, mas eu volto ao assunto.

As reclamações continuam sobre a aglomeração que vem acontecendo diariamente na rua Siqueira Mendes, entre a Praça da Sé e a Praça do Carmo. Em tempos de pandemia o problema se agrava cada vez mais. Já está na hora de ser tomada uma providência por quem de direito, antes que seja tarde demais. Existe Terminal Público.

Com um bom número de Praticantes-Oficiais, oriundos do CIAGA-RJ e CIABA-PA. Aguardando oportunidade para fazer o estágio final a bordo de um ano, para a qualificação de 2° Oficial de Náutica e 2° Oficial de Máquinas para o desempenho das funções, tem navio da TRANSPETRO iniciando viagem para o exterior sem nenhum Praticante.

Segundo uma alta fonte lá de Brasília, em contato direto com o colunista, afirmou que o atual presidente da CDP- Companhia Docas do Pará, tem perfil muito especial, daí o porquê do seu extraordinário trabalho a frente dessa estatal, assim como também o Diretor de Gestão Portuária, com uma grande bagagem de conhecimentos portuários.

Não é nada fácil, como muita gente pensa, o funcionamento de uma empresa de Praticagem. Uma série de recomendações são cumpridas, tudo dentro das normas recomendadas pela Marinha do Brasil, via CONAPRA – Conselho Nacional de Praticagem, que funciona há cerca de 46 anos no Rio de Janeiro, que através da NORMAM-12 Regulamenta o Serviço.

Sempre é bom lembrar que a nossa bela amiga Milva Rebelo, ainda no desempenho de presidente da SOAMAR-Belém, através de um convite especial da alta cúpula da nossa Armada, teve a grande satisfação de visitar o Continente Antártico, voltando encantada por tudo de especial que assistiu. Ela é sem dúvida uma “xinguara” arrojada.

No último dia 28 de janeiro, data em que foi comemorado o DIA do PORTUÁRIO, ao contrário dos anos anteriores, em função dos problemas voltados para a COVID-19, pouca coisa aconteceu, inclusive em alguns portos brasileiros não teve expediente normal. De qualquer maneira o evento não deixou de ser lembrado no setor, afinal é uma data muito significativa. (AS).

ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
Previous
Next