Grupo Serveporto se prepara para alta movimentação

O presidente do grupo, Ronaldo Lopes, e o diretor financeiro, Ronaldo Junior, reuniram-se com o gerente da filial de Macapá/AP, Rubem Rocha, na última sexta-feira, para planejar as operações do Grupo no Porto de Santana, no estado do Amapá. No segundo semestre, são esperados volumes de embarque em torno 500 mil toneladas de minério de ferro e outras 500 mil toneladas de grãos.
Com esses números, o Porto de Santana terá uma participação expressiva no volume de cargas embarcadas pelos portos do Arco Amazônico. O grupo, que tem sede em Vila do Conde, presta serviços de agenciamento marítimo, operações portuárias, limpeza de porões e soluções em shipping.

Práticos tem ponto de apoio 24h em Vista Alegre

Do alto, Vista Alegre: comunidade tem ponto de apoio para Práticos que atuam na ZP-3.

Para que os práticos atendam com segurança e pontualidade os navios que acessam os canais do Espadarte, no Rio Pará, e do Quiriri, no Marajó, essenciais para o acesso aos complexos portuários de Belém e Vila do Conde, por exemplo, tem a disposição infraestrutura operacional 24 horas por dia, 7 dias por semana.
A Empresa de Praticagem da Barra do Pará, com atuação na ZP-3 , mantém uma Base Operacional e um Centro de Operações na comunidade de Vista Alegre, no município de Marapanim, a 172 km da capital paraense. O presidente da Praticagem, Leonardo Claro, é um entusiasta das bases de apoio e está à frente da gestão.

Gigantes do agro se unem em empresa de logística

A notícia foi muito bem recebida pelo setor de navegação. As tradings Amaggi, Louis Dreyfus Company, Cargill, Archer Daniels Midland se juntaram ao TIP Bank para criar uma empresa de logística e pagamentos de fretes rodoviários do agronegócio, avançando em um segmento importante para captar margens de negociação de grãos.
Com o surgimento da empresa, haverá um aumento em relação ao volume de cargas para o Arco amazônico, ou seja, irá trazer benefícios com o possível aumento de embarques no Arco Norte.
A nova empresa, que terá o nome anunciado em breve, buscará dar mais eficiência e transparência à logística do agronegócio, setor que movimenta anualmente cerca de R$48 bilhões no país.
Com o acordo, que será submetido à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e seguirá para aprovação do Banco Central, as companhias do agronegócio já contam com cerca de 100 mil caminhoneiros e transportadoras cadastradas.

Mares & Rios

O Presidente da AMPORT, nosso amigo Flavio Acatauassú, está em primeiro no ranking nacional de Classe Laser, categoria Grand Master, após a realização da 1ª Etapa do Campeonato Paraense, este mês, em Barcarena. Agora, Acatauassú se prepara para o Campeonato Centro-Oeste, em julho, no Lago Paranoá, em Brasília. Vale ponto para o ranking nacional. Boa prova!

A Coluna registra o recebimento do Periódico Informativo do 2º Batalhão de Operações Ribeirinhas, do Corpo de Fuzileiros Navais, que está sendo elaborado pela Assessoria de Comunicação Social do Batalhão comandado pelo Capitão de Fragata Fuzileiro Fábio Felix.

A seção “Recordar é Viver” que publicamos todas as quintas-feiras está sendo muito bem recebida pela comunidade marítima. Amanhã, vou me reunir com uma equipe de peso formada pelos Comandantes, Edson Sabonete, Antônio Lemos, Hamilton Pegado e Itamar Vieira para analisarmos novas fontes riquíssimas de história. Aguardem!

A Marinha do Brasil está apoiando a campanha de vacinação contra Covid-19. Uma equipe a bordo do navio Aviso-Auxiliar “Breves” foi destacada para ser usada como posto de vacinação no Terminal Hidroviário “Ruy Barata”, recém construído na praça Princesa Isabel, em Belém. A ação faz parte das atividades do Comando Conjunto Norte em parceria com a Sesma.

A Comunicação da Marinha tem um “trio de ouro” que merece reconhecimento. Formado pelas Tenentes Carolina (CPAOR), Laisa (CIABA) e Ohana (COM4DN), é essencial para que as ações da Marinha cheguem até à sociedade. São safas!

O local de menor profundidade do rio Jari, afluente da margem esquerda do rio Amazonas, que limita o calado para os navios que se destinam ao Porto Munguba, chama-se canal do “Paga Dividas”. Reza a lenda que lá funcionava um posto do dono das terras, Coronel José Júlio. Ninguém que estivesse devendo seguia viagem… (LOP).

ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
Previous
Next