CONVÉS PRINCIPAL – Capitão de Longo Curso Ricardo Alfredo se despede em seu último embarque.

Para todos chegam um dos grandes momentos da vida: a aposentadoria. E não foi diferente para o Capitão de Longo Curso Ricardo Alfredo Pereira da Cruz, que no dia 05 de Outubro de 2021 passou o Comando de um navio Aframax, pertencente a estatal, para o Capitão de Longo Curso Abel Albino Sanca.
O Comandante Ricardo Alfredo entrou para a “Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante” (EFOMM) do CIAGA em 1976 (ano de nascimento do colunista), tendo se formando Praticante Oficial de Náutica em 1978 na turma “Aluno Bussad”.
Realizou o curso para 1º Oficial de Náutica em 1989, passando a Comandar em Janeiro de 2000, rendendo o Comandante Ferruso, em pleno porto de Hamburgo, na Alemanha. Em sua trajetória na Marinha Mercante Brasileira, comandou grandes navios da classe Suezmax, os maiores atualmente com bandeira brasileira, tendo navegado pela Europa, China e no Estreito de Málaca com destino a Singapura.
Consta no seu vasto currículo os embarques em empresas de navegação como a “Frota Oceânica”, “CBTG”, “HDS” e “Lloyd Brasileiro”, sendo que nessa última ficou por 14 anos em vários navios, em diversas rotas.
Finalmente sua carreira foi fechada com chave de ouro, quando realizou sua última viagem: saindo do porto de Suape, em Pernambuco, tendo como paradas as portos de Port Louis (Ilhas Maurícios), Singapura, Fujairah (Emirados Árabes Unidos), Jubail (Arábia Saudita), retornando para o Brasil onde fez escalas em Pecém (Ceará), Suape (Pernambuco) e finalmente seu porto de desembarque em Salvador (Bahia).
Uma longa viagem na sua despedida com honras e louvores. O colunista já teve a oportunidade de rendê-lo, em um grande navio Suezmax em 2000, fins cumprir merecido repouso, onde posteriormente retornou.
Desejo ao grande colega CLC Ricardo Alfredo uma merecida aposentadoria, aproveitando a vida que agora irá desfrutar com mais tempo ao lado dos familiares. Parabéns, Comandante, a Marinha Mercante Brasileira e a nação agradecem pelos serviços prestados.

Museu Marítimo do Brasil. Início da segunda fase do projeto

Vai se tornando realidade a construção do Museu Marítimo do Brasil, cuja previsão de inauguração está para 2026 com sede na cidade do Rio de Janeiro.
Já está em andamento a segunda fase do projeto pela Marinha do Brasil, que visa a arrecadação de recursos no valor de R$ 7 milhões. A nossa história marítima, que é muito rica em atos e fatos, que serão apresentadas nesse museu, com a certeza de que terá o reconhecimento nacional e internacional.
Ainda nessa segunda fase está previsto a elaboração de um “Projeto Executivo de Arquitetura” e de projetos técnicos complementares.
A construção do museu tem previsão de início das obras em 2023, com conclusão em 2025, sendo essa a terceira e última fase do projeto.
Uma vez em operação, o museu terá com objetivo desenvolver uma consciência no público, estimulando o conhecimento sobre a história marítima do país, destacando mar e rios como instâncias culturais, simbólicas e míticas. Essa será uma das grandes obras feitas pela Marinha do Brasil nesta década. A ansiedade começa desde já.

Navegando

A Auxiliar de Saúde Gisênia, embarcada em um grande navio Suezmax de uma estatal, agora é só felicidade. Ela recebeu a notícia de que será condecorada com a Medalha de Mérito Marítimo quando do seu próximo desembarque. O evento deverá ser realizado na Capitania dos Portos do Estado de Sergipe, sediada em Aracaju. Parabéns a nossa grande Enfermeira de bordo, sem dúvida nenhuma a honraria é merecida.

O Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Almir Garnier Santos recebeu o Presidente da República Jair Messias Bolsonaro a bordo do Navio Multipropósito “Atlântico” (A-140), atualmente a Capitânia da Esquadra Brasileira, em 05 de Outubro. O Presidente acompanhou pela primeira vez a realização de exercícios operativos no mar.

O Navio de Assistência Hospitalar “Oswaldo Cruz” da nossa briosa Marinha do Brasil, fez importantes atendimentos a oito comunidades ribeirinhas de difíceis acessos localizadas no interior dos Estados do Amazonas e Pará. Essa Unidade é subordinada ao Comando da Flotilha do Amazonas. Nossa força de mar também se preocupa com as comunidades carentes.

O Comandante de Operações Navais, Almirante de Esquadra Alípio Jorge Rodrigues da Silva, juntamente com seu Estado Maior, receberam importantes visitas recentemente. No dia 24 de Setembro, o Comandante do Comando Sul dos Estados Unidos da América, Almirante Craig F. Faller esteve em visita protocolar ao Brasil. Já no dia 1º de Outubro foi a vez da visita do Embaixador da República da Finlândia, Sr. Jouko Leinonem.

Fontes informam que o rompimento de um oleoduto que está causando desastre ambiental na Califórnia pode ter sido causado pela âncora de um navio. Essas são as suspeitas da Guarda Costeira Americana, porém são apenas uma possibilidade de várias que devem estar sendo cogitadas. O vazamento parou, segundo as autoridades locais.

Pesquisa realizada pela “Ocyan” revela avanço para mulheres no mercado de trabalho offshore, bem como também aponta para desigualdades. Essa discriminação, somente nós marítimos, podemos acabar no setor. Posso citar hoje, sem medo de errar: a melhor tripulante que tive é mulher e estava exercendo função gerencial, que é a Imediata Ludmilla, na época em que viajava nos navios gaseiros. Caso ela tivesse continuado na carreira, aposto que seria uma das melhores Comandantes da nossa Marinha Mercante Brasileira.

Hoje faço referência a Srta. Luciana Alves, funcionária do Banco Safra, grande leitora de nossa coluna. Como dizia nosso mestre Alyrio Sabbá: “para ela um beijo e uma rosa”. Agradeço a Luciana e aos funcionários do Safra pelo acompanhamento.

Já saiu a primeira redação do nosso concurso do “Dia do Mar” a bordo. Trata-se do Marinheiro de Convés Lidiomar Pinheiro da Silva. Ele, com seu uniforme impecável, está na torcida para que seja ganhador. Publicaremos as redações na coluna, bem como a vencedora, posteriormente.

A “Capitania dos Portos da Amazônia Oriental” (CPAOR) recebeu cerca de 300 coletes salva-vidas. Esse importante equipamento de salvatagem serão entregues nas ações de Fiscalização do Tráfego Aquaviário e em cursos do Ensino Profissional Marítimo para comunidades ribeirinhas. Bravo Zulu!

Ainda sobre o tema da IMO, lançado para a comemoração do Dia Marítimo Mundial desse ano, o mesmo foi escolhido como parte de ação para os marítimos, que desempenham um papel vital como trabalhadores chave para as cadeias de abastecimento globais, mas estão enfrentando dificuldades sem precedentes devido a pandemia. Pior de tudo que ainda tem países que não consideram os marítimos vitais para o seu desenvolvimento. Lamentável.

O colunista recebeu convite diretamente da “Alumni PPGEM” para participar da Webinar “A mulher na Marinha Mercante”, o décimo da série “Tópicos de Estudos Marítimos”. O evento contará com as participações da Capitão de Longo Curso Hildelene Lobato Bahia e da Capitão de Cabotagem Mannon Costa, a ser realizado no dia 14 de Outubro de 2021. A classe feminina está muito bem representada. Parabéns aos organizadores pelas escolhas do tema e das convidadas.

Para quem não sabe, a nossa querida amiga CLC Hildelene adentrou na EFOMM em 1997, tendo o colunista como seu veterano. É bacharel em ciências contábeis pela Universidade Federal do Pará e em Ciências Náutica pelo CIABA. Pós-graduada em Gestão Ambiental de Empresas pela Universidade Gama Filho. Concluiu o Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE) em 2015 pela Escola Superior de Guerra (ESG). É a primeira mulher a assumir o cargo de Comandante da Marinha Mercante Brasileira. Paraense de coração.

Já a CCB Mannon formou-se na EFOMM em 2010. Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Segurança Internacional e Defesa da Escola Superior de Guerra (PPGSID/ESG). É pós-graduada em Logística e Mobilização na Escola Superior de Guerra. Autora do livro “A origem das leis, regulamentos e normas que regem a Marinha Mercante”.

Infelizmente no sábado não tivemos a Romaria Fluvial do Círio de Nazaré por conta ainda da pandemia do coronavírus. Essa procissão envolve muitas embarcações de turismo e recreio e tem o apoio do Governo do Estado do Pará, capitaneada pela Marinha do Brasil, através do Comando do 4º Distrito Naval. Em um trajeto pela Baía do Guajará, a imagem de Nossa Senhora de Nazaré navega do trapiche de Icoaraci até a escadinha da Estação das Docas. Nossa torcida é para no ano de 2022 aconteça a procissão e que tenha acabado a pandemia. (RM).

ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
Previous
Next