NAVEGAÇÃO EM FOCO – O 1º Esquadrão de Helicóptero de Emprego Geral do Norte (HU-41)

Helicóptero modelo UH-15 SUPER COUGAR do Esquadrão

O 1º EsqdHU-41, que tem como Comandante o Capitão de Fragata Rodrigo Gerundo Cavalcante dos Santos, foi criado em outubro de 2019, o que possibilitou ao 4° Distrito Naval contar com meios aéreos em apoio às unidades de superfície, ampliando assim, o Poder Naval na região da Amazônia Oriental.
São muitas as atividades do 1º Esquadrão de Helicóptero de Emprego Geral do Norte (HU-41), onde podemos citar a participação nas Ações Cívico Social; esclarecimento em apoio às Patrulhas e Inspeções Navais; remoção de tripulantes de embarcações, operando dentro da área SAR de responsabilidade do SALVAMAR NORTE; e translado de autoridades para locais de interesse da Administração Naval.
Desde a criação, contribui para o êxito nas missões de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), Verde Brasil 1 e ASPIRANTEX-2020, Adestramento de Operações “Ribeirinhas” 2020 e Operação AGATA Norte. Destaque ainda para apoio em operações da Polícia Federal nas Terras Indígenas “Trincheira Bacajá” e “Arariboia-Kayapó”, além do importante suporte nas ações para criação da Agência da Capitania dos Portos no Oiapoque/AP.
A partir da ativação do seu Núcleo de Implantação ocorrido em junho de 2019, o Esquadrão HU-41, passou a fazer parte do Projeto Piloto de “Base Compartilhada”, ou seja, Marinha do Brasil e Força Aérea, formando a Primeira Base Compartilhada no Brasil. Já existe estudo no sentido de uma Unidade do Exército Brasileiro também compor a base.

Realizado teste de viabilidade técnica

CMG Vitorino, Prático Raphael, 1º Tenente José Carlos , CMG Ventura , CMG Kaysel e sr. José Gregório durante teste de simulação na Fundação Homem do Mar.

Na última segunda-feira, foi realizado, nos simuladores da Fundação Homens do Mar, na cidade do Rio de Janeiro/RJ, o evento de simulação e viabilidade técnica que poderá autorizar o novo LOA (comprimento) dos navios que fazem operação de carregamento de celulose da empresa Jari Celulose, no Porto de Munguba, subindo de 200 para 201,8 metros.
Participaram do evento pela Marinha do Brasil o CMG Kaysel Costa Ribeiro, Capitão dos Portos do Amapá; 1° Tenente (AA) José Carlos, Encarregado da Divisão de Segurança e Tráfego Aquaviário; e o CMG (R1 AA) Ventura, Representando o 4° Distrito Naval. Pelo Corpo Técnico da Unipilot, os Práticos Luiz Omar e Raphael Costa Lima; pela Jari Celulose, o Sr. José Gregório, Gestor de Logística; e CMG (R1) Walter Vitorino Consultor de Navegação.
O aumento no comprimento dos navios para operar no Terminal foi solicitado pela Jari Celulose depois que realizou mudanças na planta de produção, quando deixou de produzir celulose para papel, e passou a produzir a Celulose Solúvel (Dissolving Wood Pulp, que tem a finalidade têxtil), e é uma celulose que está sendo exportada em sua grande maioria para o mercado Chinês. Com uma perspectiva de embarque de 20 mil toneladas por mês, necessita desse pequeno aumento no tamanho dos navios para operar no Porto.

Visita

Da esquerda para a direita: Vice-Almirante (Refº) Francisco Antonio de Magalhães Laranjeira, Vice-Almirante (RM1) Wilson Pereira de Lima Filho e Sr. Mário Povia.

Na última quarta-feira, o Presidente do Tribunal Marítimo, Vice-Almirante (RM1) Wilson Pereira de Lima Filho, recebeu a visita do Presidente da Companhia Docas do Rio de Janeiro/RJ, Vice-Almirante (Refº) Francisco Antônio de Magalhães Laranjeira, Autoridade Portuária do RJ, acompanhado do Diretor de Gestão dessa Companhia, Sr. Mário Povia. Na oportunidade, o Presidente do Tribunal ministrou um palestra sobre o Tribunal Marítimo com o objetivo de estreitar os laços e compartilhar conhecimento entre as instituições.

Mares & Rios

O emprego do Poder Naval requer adestramento permanente. Na semana passada, o Navio de Apoio Oceânico “Iguatemi” realizou, no Rio Pará, exercício em prol do aprestamento das capacidades do meio em conduzir Operações Aéreas e servir como plataforma de Apoio Logístico Móvel.

A coluna registra e agradece o recebimento da terceira edição do periódico “O Ribeirinho”, que apresenta as atividades desempenhadas pelo 2° Batalhão de Operações Ribeirinhas, nos meses de outubro/novembro/dezembro de 2021 e janeiro de 2022. O Batalhão, que tem como Comandante o Capitão de Fragata Fuzileiro Félix, estará trocando de Comandante no próximo dia 10. O também Capitão de Fragata Fuzileiro Luiz Carlos Custódio de Carvalho Júnior irá assumir o comando.

Em cerimônia presidida pelo Tenente-Brigadeiro do Ar Sergio Roberto Almeida, Comandante de Preparo, tomou posse como Chefe do Estado-Maior do COMPREP, em Brasília/DF, o Major-Brigadeiro do Ar Luiz Guilherme Silveira de Medeiros. Ele é irmão do também Major-Brigadeiro do Ar Maurício Augusto Silveira de Medeiros, Comandante do I COMAR.

A Marinha apreendeu três embarcações que transportavam 24m3 (metros cúbicos) de madeira extraída ilegalmente em Macapá/AP. Os criminosos infringiram ainda diversas normas da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário, como ausência de documentação das embarcações e de material de salvatagem

ERRATA – Na coluna da última quinta-feira, o nome do CEO da COMEP não foi citado, porém trata-se do Sr. Isaac Nunes, assim como o nome dos parceiros: Energética Ceamazon/UFPA (Centro de Pesquisa da Universidade) e Fundação Americana EV SHARE.

ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
Previous
Next